Basílica Nossa Senhora do Carmo celebra novena em honra à Santa Teresinha

Reflexões, orações e muitas bençãos marcaram a novena em louvor à Santa Teresinha, realizada entre os dias 22 e 30 de setembro, na Basílica Nossa Senhora do Carmo, no bairro da Bela Vista, em São Paulo.  As celebrações foram encerradas com missa solene, ministrada pelo pároco e reitor da Basílica, Frei Thiago Borges, no dia 1º de outubro, dia da Santa. Na ocasião, também se comemorou os dois anos de ordenação diaconal do pároco.

Frei Thiago, devoto de Santa Teresinha, esteve no altar em todas as celebrações e cuidou pessoalmente da organização da novena, “Celebrar Santa Teresinha é celebrar uma santa que viveu e morreu para a sua vocação. Ela é exemplo da graça de Deus, que santifica. Depois dela ninguém tem desculpa pra não pregar o amor de Deus”, comenta.

A NOVENA

A Novena contou com a participação de diferentes sacerdotes, que exploraram em sua homilia a vida e obra da Santa, conhecida como a Santa das Rosas. O amor e a vocação de Teresinha foram o ponto focal de cada encontro, marcado por muita fé e pela participação da comunidade de devotos.

A abertura da novena foi presidida pelo Frei Reinaldo Paraíso, que abordou o tema: Santa Teresinha, filha exemplar de Maria.

No segundo dia o Frei Alvacir explicitou a pequenez com que Teresinha se colocava diante da grandeza de Deus.

O Frei João Paulo, que pregou acompanhado do Frei Atanael (celebrante), falou da vocação missionária da Santa, e o quanto seu exemplo deve nos inspirar a divulgar o amor de Deus aos irmãos.

O quinto dia foi marcado pelo entusiasmo do Frei José Aparecido, que enfatizou Santa Teresinha como exemplo de fé, a ser seguido por todos. Deixando claro que a santidade é sim possível.

Santa Teresinha, amor e dedicação pelo reino de Deus semeando a paz, foi o tema abordado pelo Frei Marlom, no sexto dia.

Dom Camilo foi o portador da mensagem de amor de Santa Teresinha à comunidade, no sétimo dia.

A Dom Lourenço coube explicitar os temas Família, Oração e Missão.

O nono dia foi celebrado por Frei Adailson, que abordou o ardor missionário da Santa, que é a padroeira das missões.

O encerramento das festividades se deu no dia 1º, com uma bonita celebração presidida por Frei Thiago e co-celebrada por Frei Atanael, Frei Tadeu e Frei João Paulo. Na ocasião, a comunidade ganhou rosas abençoadas e levou pra casa a missão de pregar o amor, missão de todo cristão batizado.

Quer ser um dizimista?
Preencha esse formulário que entraremos em contato com você!